08 de Fevereiro de 2010

ConvidadosPortugal precisa da força anímica de alguém que, de facto, se empenhe no zelo pela qualidade de vida dos Portugueses. Pela qualidade de vida, pela qualidade da Democracia e pela qualidade da Liberdade. Ao contrário do que se difunde e se propagandeia, o problema português não reside em questiúnculas políticas e não se resolve com a mudança gratuita dos actores governativos. O problema do país é, indiscutivelmente, a economia. A economia que hoje se reconhece completamente destroçada e cujos esforços de reconstrução requerem à política, a criação de condições de estabilidade.

 

Para isso, Portugal precisa de quem possa falar com uma autoridade ética, devidamente reconhecida em termos sociais e caucionada institucionalmente, sobre os caminhos a ponderar e a desenvolver no contexto do investimento conjunto que é necessário levar a cabo, para que o país encontre o ponto de sustentabilidade económico-financeira, a partir do qual se possa consolidar a sociedade moderna que se pretende, de há muito, construir. Alguém com um perfil ético capaz de garantir o olhar distanciado, sério e objectivo que, assente numa forte experiência da vida política, possa revelar o entendimento profundo das causas sócio-culturais, subjacentes aos mecanismos que resistem à mudança qualitativa dos procedimentos e dos métodos de intervenção sócio-política que é urgente assumir para que se materializem soluções que, a não serem apontadas e concretizadas nos deixarão sucumbir, como país, ao atavismo estrutural que se denota nas práticas colectivas tradicionais que a tecnologia não resolve e que pode resultar no pior cenário que as tendências económicas permitem prever.

 

A Presidência da República é a instituição que, por excelência, deve ser ocupada por quem corresponda ao desempenho eficaz deste perfil: o perfil de um exercício tutelar, de saber, responsabilidade e ponderação, cuja pronúncia implica, no âmbito da hierarquia dos órgãos de soberania republicanos, ser ouvido nos diagnósticos e nas sugestões que funcionam como referenciais activos da vida social, política e institucional. Por princípio, os Presidentes da República, por inerência estatutária ou pelos resultados dos seus mandatos, são colectivamente considerados e respeitados. Porém, raros foram os que partiram para o exercício destas funções, com um capital de confiança cívica que ultrapassasse a dimensão político-partidária… e esta dimensão do problema é, hoje, particularmente incisiva no contexto de democracias fragilizadas por economias nacionais, marcadas por sérias dificuldades de adaptação aos requisitos de uma sociedade globalizada, onde as lógicas macro-económicas e financeiras condicionam de forma determinante os rumos e ritmos de desenvolvimento. Por isso, o perfil cultural que se justifica defender para a Presidência da República é, nos tempos que correm, assaz diverso do que tem sido habitual. O Presidente da República tem hoje que ser um Homem simultaneamente da Cultura e da Política, capaz de compatibilizar, sem contradições demagógicas, o realismo pragmático e a empatia afectiva para com um povo que aspira à modernidade mas, que permanece alienado a estruturas de inter-conhecimento redutoras do exercício da competência e da meritocracia, com prejuízo da emancipação que viabiliza a competitividade. Neste contexto, a candidatura de Manuel Alegre é indiscutivelmente justa e adequada, ao país a que aspiramos e que podemos vir a ser… porque Portugal é um país feito “a pulso”, da Fundação aos Descobrimentos quando se optou pela improvável independência e o desbravar do incerto, face à incapacidade endógena de responder eficientemente às necessidades das pessoas, nos limites de um território esmagado pelas pressões exteriores e a fragilidade económica... um país que soube alcançar a Índia e o Brasil e que, depois, se perdeu nos meandros da gestão de uma riqueza que não soube gerir… um país que, a tropeçar, entrou em democracia, saindo da ditadura e da guerra colonial, para se confrontar, sem fazer os lutos racionais que a mudança requeria, com um modelo de desenvolvimento europeu específico cujas exigências só poderemos cumprir se nos reencontrarmos como identidade colectiva. Manuel Alegre disse-o: “É Preciso Um País (…) É preciso voltar a ter uma raiz (…)” e precisou-o, renovando o sentido e o modo de se dizer a Pertença, o Orgulho, a Identidade e o Ser, verbalizando o sentimento colectivo de que somos vítimas e de que precisamos de nos resgatar e que é o da (…) Pátria onde foi traída não só a independência mas a vida”. E, se o Poeta o disse, o Homem o fez, traçando o caminho improvável da consciência e da alma, provando que ser Político é mais do que integrar um ou outro grupo partidário e, isso sim, ter o interesse nacional como prioridade de vida. Por isso, pelo passado, pelo presente e pelo futuro, todos sabemos que, se queremos escapar às armadilhas que são as ilusões da pequena história dos dias, apoiar Manuel Alegre e elegê-lo Presidente da República de Todos os Portugueses é, qualquer que seja a perspectiva, da esquerda à direita, um imperativo nacional. Sejamos sérios, sejamos justos! Manuel Alegre é o Presidente da República de que os Portugueses Precisam… para que a esperança e a confiança sejam devolvidas aos cidadãos e para que o país possa respirar livremente com a tranquilidade de alma que nos fará caminhar, com firmeza e convicção, no sentido de um futuro melhor!

 

Ana Paula Fitas

 

Ana Paula Fitas é autora dos blogs a Nossa Candeia e Forum Palestina e co-autora do a Regra do Jogo

um uivo de Luis Novaes Tito às 02:54

O facto de alguém ser poeta, mesmo que bom (admita-se), constitui uma vantagem política?
Agostinho Neto era poeta e, além de incompetente e não democrata, promoveu algumas matanças. Ah, já me esquecia: Nero era poeta!
15 de Fevereiro de 2010 às 14:42

outros uivos
Manuel Alegre no Facebook
ligações
nós noutros blogs
a Barbearia do Sr. Luís (LNT)
Boa sociedade (EE)
a Diferença em Lisboa (HR)
Praça das controvérsias (PP)

outros blogs
<- a ->
(a) Aba Causa
Abencerragem
Aberratio Ictus
Abjurado
Abrasivo
Abrupto
Absorto
Abstracto Concreto
Activismo de Sofá
Actos Irreflectidos
Ad Confessionem
Adufe sans frontiers
Africanidades
Água Lisa (6)
Aguarelas de Turner
Albergue Espanhol
Alcatruzes da Roda
Aldeia de St. Margarida
Alfragide XXI
Algures Aqui
Aliviar o Pensamento
Almocreve das Petas
(o) Amigo do Povo
(os) Amigos de Alex
(o) Amor nos Tempos da Blogosfera
AnaMarta
anamartins.com
Anarca Constipado
(o) Andarilho
André Felício Photoblog
Ânimo
Anjo Demónio
António José Seguro
Apdeites V2
Arcádia
Ardelua
Arquivo
Arrastão
Arroios
(a) Arte da Fuga
Arte de Opinar
Aspirina B
Atento
Átrium
Avatares Desejo
Avenida Central
<- b ->
Baforadas
(a) Baixa do Porto
(do) Baixo ao Alto
Banco Corrido
(a) Barbearia do Sr. Luís
Bem Haja
Bereshit
Bichos-Carpinteiros
Bibliotecário de Babel
(o) Bico de Gás
(o) Biólogo Amador
Bios Politikos
Blasfémias
BlogBrother
Blog do Góis
Blog do Manel
Blogkiosk
Blogoexisto
Blog Operatório
Blogotinha
Blog Remendado
Boa Sociedade
Boas Intenções
(a) Boiada
Bomba Inteligente
Branco no Branco
Butterflies Fairies
<- c ->
(o) Cachimbo de Magritte
Café Central
(a) Cagarra
Caixa de Pregos
Câmara Corporativa
Caminhos da Memória
(les) Canards Libertaîres
Canhoto
Cão como tu
Carlos Alberto
Carreira da Índia
Causa Nossa
Causa Vossa
Centenário Tito de Morais
Certamente
(um) Chá no Deserto
Claro
Click Portugal
Clube das Repúblicas Mortas
Cogir
Coisas de Cabeça
Com a Luz Acesa
Com Calma... Com que Alma
Comunicar a Direito
Congeminações
Contra Capa
Corta-Fitas
Córtex Frontal
Crónicas do Rochedo
<- d ->
Dar à Tramela
Defender o Quadrado
Delito de Opinião
De Rerum Natura
Der Terrorist
Despertar da Mente
Destreza das Dúvidas
Deste lado de cá
Dias dos Reis-Fotografia
Direito de Opinião
Diz que não gosta de música clássica?
2 Dedos de Conversa
2 Dedos de Prosa e Poesia
Divas e Contrabaixos
2711
DoteCome Blog
Duas ou Três Coisas
<- e ->
EAS Setúbal
Economia e Finanças
(a) Educação do meu Umbigo
Elypse
Entre as Brumas Memória
Entre Mares e Planuras
Entre Marido e Mulher...
(a) Escada de Penrose
Escola de Lavores
Espaço da Inspiração
Espumadamente
(à) Esquina da Tecla
Estado Sentido
Estranho Estrangeiro
Eu é Mais Bolos
<- f ->
Farmácia Central
Farpas
Ferreira de Castro
Fim de Semana Alucinante
Flipvinagre
Foleirices
(a) Forma e Conteúdo
Forum Cidadania
Forum Comunitário
Forum Palestina
Fotografia e Xadrez
From Here to Eternity
Fumaças
(o) Futuro Presente
<- g ->
Generatión Y
Geoscópio
Geração Rasca
GrandeJóia
Gravidade intermédia
<- h ->
Há Mouro na Costa
Há Normal
Hoje há Conquilhas
Homem ao Mar
Homem do Leme
Homocivicus
<- i ->
(a) Ideal Social
Ilhas Selvagens
(a) Ilusão da Visão
Inclusão e Cidadania
Inovação e Marketing
Insinuações
(o) Insurgente
Íntima Fracção
Ir ao Fundo e Voltar
<- j ->
Jacarandá
Jardim de Luz
Jazz no País Improviso
João Soares
JonasNuts
Jornalismo e Comunicação
José Vacondeus
JS Benfica
Jugular
(o) Jumento
<- k ->
Kruzes Kanhoto
<- l ->
Ladrões de Bicicletas
Lanterna Acesa
(a) Lei do Funil
(a) Lei de Murphy
LerBlog
Letra por Letra
Léxico Familiar
LiBlog
(a) Linha - Clube Reflexão Política
(da) Literatura
Lóbi do Chá

Loja de Ideias
(a) Lua Flutua
Luminária
Lusofin
<- m ->
Machina Speculatrix
Macroscópio
Mais Actual
Manuel Alegre
Mar à Vista
Mar Salgado
Margem Esquerda
Margens de Erro
Marquesa
Marketing de Busca
Marretas
Ma-Shamba
Mátria Minha
Memória Virtual
Mensagem Certa
Miguel Lomelino
(a) Minha Matilde e Comp.
(a) Minha Travessa do Ferreira
(a) Minha T-Shit
Miranda e Eu
Miss Pearls
Miúdos Seguros na Net
Moengas
Monitor Amigo
Mundo Pessoa
Murcon
<- n ->
(a) Natureza do Mal
Nau Catrineta
Nimbypólis
(a) Noite do Lobo
(a) Nossa Candeia
Notas ao Café
Notas Verbais
Notícias d' Aldeia
Nova Floresta
Nunca Mais
<- o ->
Objectiva 3
Ofício Diário
Olhar Direito
Olhares
Ondas 3
On the Road Again
(a) Origem Espécies
Outra Margem
Outubro
(o) Ovo Estrelado
<- p ->
Página de Rosto
(o) País do Burro
(o) País Relativo
Palavra Aberta
Pardieiros onLine
Pátio das Conversas
Pau para toda a obra
Pé de Meia...
Pedro Quartin Graça
Pedro Rolo Duarte
Pedro Santana Lopes
Penamacor
(as) Penas do Flamingo
Penduras
Pensamento Alinhado
Pequenos Contratempos
Perdigão Art
Peter Balikó
Photomics
Pinhel, nós por cá
Planetas Politik
Podium Scriptae
Poeta sem poesia
Poetry Café
Polis-Fixe my street
Politeia
(o) Politiqueiro
Ponto Media
Porta Capitania Ilha Moçambique
Porto das Pipas
Portugal dos Pequeninos
Praça das Controvérsias
Praça da República em Beja
(o) Profano
Prosas Vadias
PS Benfica
<- q ->
Quarta República
Quase em Português
<- r ->
Raíz Política
Relações Internacionais
República das Badanas
(de) Rerum Natura
Respirar o Mesmo Ar
Retorta
Risco Contínuo
Rititi
Rua da Judiaria
Rui Herbon
Rui Tavares
Ruptura Vizela
<- s ->
Sedes
100 Nada
Sempre a Produzir
Sete Vidas como os Gatos
(o) Sítio dos Desenhos
Sobre o Tempo que Passa
(à) Sombra do Convento
Sorumbático
Suspeitix
<- t ->
TAF - Opinião
Tempo das Cerejas
(a) Terceira Noite
(a) Terceira Via
Terra dos Espantos
Thomar Vrbe
Tomar
Tomar, a Cidade
Toxana
Traço Grosso
Tralapraki
31 da Armada
Troca o Passo
Twice, three times a ..
Two Stiks
<- u ->
Ultraperiférico
<- w ->
Walkarounds
the Watchdog
We Have Kaos in the Garden
We'll always have Paris
<- v ->
Vasco Campilho
Velocidade de Cruzeiro
Vento Sueste
Vida das Coisas
Vila do Paúl
Vila Forte
25 Centímetros de Neve
Viridarium
(o) Voo das Palavras
Vozes da Rádio
blogs SAPO