08 de Janeiro de 2010

Por Marisa Matias (deputada europeia do Bloco de Esquerda)

 

Muito já foi dito e escrito sobre a Cimeira de Copenhaga: o falhanço, a desilusão, as metas inatingidas, a nova ordem mundial, a reconfiguração das relações de poder, o braço-de-ferro (aliança?) entre Estados Unidos e China. As conclusões parecem unânimes. O acordo vinculativo que era necessário ficou pelo caminho, a urgência da intervenção no domínio da crise ambiental não foi argumento suficiente para um entendimento global, os mais pobres continuarão a pagar a factura mais pesada das consequências resultantes das alterações climáticas. Não houve capacidade para definir metas globais comuns (20 por cento de redução global de emissões até 2020? 30 por cento?), não houve sequer capacidade para definir o ano em que as emissões com efeito de estufa deveriam atingir o seu pico, não houve clarificação sobre os mecanismos de financiamento – soube-se quem contribuiria, é certo, mas sem definir a origem dos fundos e os mecanismos de aplicação dos mesmos –, salvou-se o arquétipo de 'cada um por si'. Num modelo de decisão onde só pode vingar o consenso, falou-se de falta de liderança política, de chefes de Estado que não estão à altura das urgências, de 2010 como o ano decisivo para “pôr em política” um projecto de justiça climática que sirva a todos. O resultado “material” da Cimeira foi uma declaração política vaga e mal escrita, desastrosa para os países mais pobres, onde o único compromisso que figura é o objectivo de não ultrapassar os dois graus centígrados de aumento de temperatura média do planeta – aumento esse que, se para os países europeus pouco representa em termos de mudança da temperatura global, nos países da região equatorial representa um aumento real de cinco a seis graus centígrados, com consequências dramáticas para “dar sustento” à vida tal como a conhecemos.


À entrada de Copenhaga havia dois documentos de partida – um relativo à cooperação a longo prazo, orientado para medidas concretas de adaptação às alterações climáticas; e o Protocolo de Quioto. À entrada de Copenhaga havia ainda uma esperança para todos: chegar a UM acordo comum que fosse vinculativo. Em Bali tinha ficado “provada” a possibilidade do consenso. O Plano de Acção de Bali – que deu origem ao documento de cooperação a longo prazo, esteve preso por um fio (Estados Unidos) e acabou por ser aceite por consenso. Mas aquilo a que se assistiu em Copenhaga foi claro: a unanimidade em torno da necessidade de UM acordo vinculativo é válida apenas para uma parte do mundo – com destaque para a União Europeia e para a Aliança de Pequenas Ilhas e Estados (AOSIS) – e para os movimentos ecologistas e movimentos sociais. A necessidade de converter os dois documentos de partida em apenas um acordo global é fácil de perceber: só esta união permitiria que deixasse de haver “regimes de excepção”, de que o exemplo mais claro tem sido o dos Estados Unidos com a não ratificação do Protocolo de Quioto, e que fossem aprovadas medidas vinculativas capazes de proporcionar uma distribuição de responsabilidades mais justa. Sendo esta certeza tão evidente, por que razão os “países não industrializados” ou os “países em desenvolvimento” se opuseram desde o início a uma orientação tão justa? Também aí a razão é muito fácil de perceber: na perspectiva de falhar o acordo comum havia que garantir que pelo menos um dos documentos mantivesse uma clara divisão de responsabilidades entre “países industrializados” e os restantes – esse documento seria Quioto 2. O problema foi que, neste cenário que se ia cristalizando, os anúncios de não ratificação de um segundo Protocolo de Quioto se foram sucedendo – Japão, Austrália, Canadá... Quioto 2 ficaria, assim, reduzido a um compromisso de uma região do mundo, a União Europeia. Em suma, nada acrescentaria ao compromisso que unilateralmente já estava garantido à partida. De que lado estaria, afinal, a razão? Quais os entraves ao entendimento?

A assembleia de Copenhaga foi um palco privilegiado para sentirem as tensões e as razões das dificuldades. Os jogos de associação/dissociação entre países e regiões do mundo ao longo de duas semanas de negociação foram claros. Há, por isso, que tirar ilações importantes.

Em primeiro lugar, as negociações que antecederam Copenhaga e a forma como foram conduzidas “em tempo real” mostraram que tudo foi preparado como se o mundo continuasse na mesma, como se as relações de poder continuassem a ser as mesmas. E o mundo já não é o mesmo, nem as relações de poder. Se não fosse este o pressuposto, como explicar que a presidência da Cimeira – dinamarquesa – tivesse escolhido como parcerias estratégicas para a negociação países como Namíbia, Lesoto, Tanzânia, Equador, Eritreia...? Para esta escolha contaram mais as “relações históricas” – será exagerado dizer ainda ancoradas numa ‘visão colonial’ do mundo? – do que a nova ordem mundial. Se não fosse este o pressuposto, como aceitar os sucessivos silêncios, omissões e adiamentos das negociações com os países que na altura representavam a maioria das posições – sobretudo o G77 – em benefício da permanente espera dos compromissos que chegariam do governo norte-americano? Se não fosse este o pressuposto, como justificar as negociações paralelas e “secretas”? Como justificar que, em “desespero de causa”, a presidência dinamarquesa tivesse tido a ousadia de propor um texto que, a escassos dias do fim das negociações, substituiria os documentos em trabalho há dois anos, numa posição que levou à demissão da própria presidente da Cimeira (futura Comissária Europeia para as Alterações Climáticas)? A União Europeia, que queria ser líder do processo, foi a maior responsável pela espera. A União Europeia, que queria ser líder do processo, acabou por dar a bênção a uma declaração feita a cinco – Estados Unidos, China, Brasil, Índia e África do Sul – da qual a Cimeira apenas pode “tomar conhecimento” por falta de consenso entre as partes. Em suma, uma série de “incidentes” ditaria o crescimento da desconfiança, a clivagem entre “países industrializados” e restantes e o empobrecimento do processo democrático.

Aqui retomo a reflexão que me parece central neste processo. Há ou não lugar para a política no mundo do consenso? Muito se disse sobre a capacidade das Nações Unidas para conduzir este processo, as falhas na organização, se é ou não a instituição adequada para as negociações sobre as alterações climáticas. Uma coisa é certa: a lógica do consenso é a antítese do próprio processo democrático. É a conversão da política em “polícia”, como diria Rancière, sendo que a primeira corresponde ao espaço da dissensão, da ruptura, onde se manifesta a diferença da sociedade em relação a ela própria e a segunda à organização dos espaços das relações entre governos. As lutas políticas entre as fronteiras do governo das sociedades e da vida não são passos atrás na democracia; são, antes, o centro da democracia. Não parece haver, no panorama actual, um espaço que possa cumprir esse papel para além das Nações Unidas. Mas vale a pena reflectir sobre os processos. Durante a Cimeira de Copenhaga, numa declaração conjunta, os presidentes da delegação do Parlamento Europeu e da delegação do Parlamento Pan-Africano afirmaram que o falhanço de Copenhaga ficou a dever-se aos mecanismos não transparentes e ineficazes inerentes aos métodos de trabalho das Nações Unidas. Mais do que substituir as Nações Unidas neste processo, sugeriram que fosse criada uma Assembleia Parlamentar no seu seio, onde houvesse lugar à discussão aberta com possibilidade de tomadas de posição maioritárias susceptíveis de auxiliar os processos globais de tomada de decisão. É este um caminho possível?

Há ainda um outro dado, o do papel dos cidadãos. Desde a invasão do Iraque que não se viam milhares de pessoas na rua a lutar pela justiça global. Ninguém pode roubar essa conquista a Copenhaga. Ignorar esta realidade é perder uma das características essenciais das sociedades democráticas. Como alerta Chantal Mouffe, o consenso numa sociedade democrática de índole liberal é, e será sempre, a expressão de uma hegemonia e a cristalização de relações de poder. O “consenso” é, assim, uma forma de estabelecer uma fronteira entre o que é e o que não é legítimo em política. No contexto actual de mudança onde, se mais provas fossem necessárias, não podemos pactuar com a ideia de que existe um modelo de transformação que é válido para todas a regiões e países do mundo, independentemente da sua situação geográfica e política, essa fronteira será sempre a tradução do mínimo denominador comum e da resposta mais fraca e contingente perante os graves problemas que enfrentamos. Talvez seja tempo de regressarmos às fórmulas “simples”. Elas são democracia e política e são a única forma de não ficarmos reféns dos interesses imediatos e unilaterais de alguns sobre todos. No dia 31 de Janeiro de 2010, todos os países que aceitaram a declaração já terão inscrito as suas metas e os seus compromissos no anexo que a acompanha. Mas, neste caso, o todo não é igual à soma de todas as partes. Assim se pode justificar que as posições mais exigentes e que melhor resposta poderiam dar à crise ambiental e social que vivemos, entre as quais a da União Europeia, tenham definhado num cenário como o de Copenhaga.

 

Publicado no site da Esquerda Europeia

um uivo de Elísio Estanque às 14:11

outros uivos
Manuel Alegre no Facebook
ligações
nós noutros blogs
a Barbearia do Sr. Luís (LNT)
Boa sociedade (EE)
a Diferença em Lisboa (HR)
Praça das controvérsias (PP)

outros blogs
<- a ->
(a) Aba Causa
Abencerragem
Aberratio Ictus
Abjurado
Abrasivo
Abrupto
Absorto
Abstracto Concreto
Activismo de Sofá
Actos Irreflectidos
Ad Confessionem
Adufe sans frontiers
Africanidades
Água Lisa (6)
Aguarelas de Turner
Albergue Espanhol
Alcatruzes da Roda
Aldeia de St. Margarida
Alfragide XXI
Algures Aqui
Aliviar o Pensamento
Almocreve das Petas
(o) Amigo do Povo
(os) Amigos de Alex
(o) Amor nos Tempos da Blogosfera
AnaMarta
anamartins.com
Anarca Constipado
(o) Andarilho
André Felício Photoblog
Ânimo
Anjo Demónio
António José Seguro
Apdeites V2
Arcádia
Ardelua
Arquivo
Arrastão
Arroios
(a) Arte da Fuga
Arte de Opinar
Aspirina B
Atento
Átrium
Avatares Desejo
Avenida Central
<- b ->
Baforadas
(a) Baixa do Porto
(do) Baixo ao Alto
Banco Corrido
(a) Barbearia do Sr. Luís
Bem Haja
Bereshit
Bichos-Carpinteiros
Bibliotecário de Babel
(o) Bico de Gás
(o) Biólogo Amador
Bios Politikos
Blasfémias
BlogBrother
Blog do Góis
Blog do Manel
Blogkiosk
Blogoexisto
Blog Operatório
Blogotinha
Blog Remendado
Boa Sociedade
Boas Intenções
(a) Boiada
Bomba Inteligente
Branco no Branco
Butterflies Fairies
<- c ->
(o) Cachimbo de Magritte
Café Central
(a) Cagarra
Caixa de Pregos
Câmara Corporativa
Caminhos da Memória
(les) Canards Libertaîres
Canhoto
Cão como tu
Carlos Alberto
Carreira da Índia
Causa Nossa
Causa Vossa
Centenário Tito de Morais
Certamente
(um) Chá no Deserto
Claro
Click Portugal
Clube das Repúblicas Mortas
Cogir
Coisas de Cabeça
Com a Luz Acesa
Com Calma... Com que Alma
Comunicar a Direito
Congeminações
Contra Capa
Corta-Fitas
Córtex Frontal
Crónicas do Rochedo
<- d ->
Dar à Tramela
Defender o Quadrado
Delito de Opinião
De Rerum Natura
Der Terrorist
Despertar da Mente
Destreza das Dúvidas
Deste lado de cá
Dias dos Reis-Fotografia
Direito de Opinião
Diz que não gosta de música clássica?
2 Dedos de Conversa
2 Dedos de Prosa e Poesia
Divas e Contrabaixos
2711
DoteCome Blog
Duas ou Três Coisas
<- e ->
EAS Setúbal
Economia e Finanças
(a) Educação do meu Umbigo
Elypse
Entre as Brumas Memória
Entre Mares e Planuras
Entre Marido e Mulher...
(a) Escada de Penrose
Escola de Lavores
Espaço da Inspiração
Espumadamente
(à) Esquina da Tecla
Estado Sentido
Estranho Estrangeiro
Eu é Mais Bolos
<- f ->
Farmácia Central
Farpas
Ferreira de Castro
Fim de Semana Alucinante
Flipvinagre
Foleirices
(a) Forma e Conteúdo
Forum Cidadania
Forum Comunitário
Forum Palestina
Fotografia e Xadrez
From Here to Eternity
Fumaças
(o) Futuro Presente
<- g ->
Generatión Y
Geoscópio
Geração Rasca
GrandeJóia
Gravidade intermédia
<- h ->
Há Mouro na Costa
Há Normal
Hoje há Conquilhas
Homem ao Mar
Homem do Leme
Homocivicus
<- i ->
(a) Ideal Social
Ilhas Selvagens
(a) Ilusão da Visão
Inclusão e Cidadania
Inovação e Marketing
Insinuações
(o) Insurgente
Íntima Fracção
Ir ao Fundo e Voltar
<- j ->
Jacarandá
Jardim de Luz
Jazz no País Improviso
João Soares
JonasNuts
Jornalismo e Comunicação
José Vacondeus
JS Benfica
Jugular
(o) Jumento
<- k ->
Kruzes Kanhoto
<- l ->
Ladrões de Bicicletas
Lanterna Acesa
(a) Lei do Funil
(a) Lei de Murphy
LerBlog
Letra por Letra
Léxico Familiar
LiBlog
(a) Linha - Clube Reflexão Política
(da) Literatura
Lóbi do Chá

Loja de Ideias
(a) Lua Flutua
Luminária
Lusofin
<- m ->
Machina Speculatrix
Macroscópio
Mais Actual
Manuel Alegre
Mar à Vista
Mar Salgado
Margem Esquerda
Margens de Erro
Marquesa
Marketing de Busca
Marretas
Ma-Shamba
Mátria Minha
Memória Virtual
Mensagem Certa
Miguel Lomelino
(a) Minha Matilde e Comp.
(a) Minha Travessa do Ferreira
(a) Minha T-Shit
Miranda e Eu
Miss Pearls
Miúdos Seguros na Net
Moengas
Monitor Amigo
Mundo Pessoa
Murcon
<- n ->
(a) Natureza do Mal
Nau Catrineta
Nimbypólis
(a) Noite do Lobo
(a) Nossa Candeia
Notas ao Café
Notas Verbais
Notícias d' Aldeia
Nova Floresta
Nunca Mais
<- o ->
Objectiva 3
Ofício Diário
Olhar Direito
Olhares
Ondas 3
On the Road Again
(a) Origem Espécies
Outra Margem
Outubro
(o) Ovo Estrelado
<- p ->
Página de Rosto
(o) País do Burro
(o) País Relativo
Palavra Aberta
Pardieiros onLine
Pátio das Conversas
Pau para toda a obra
Pé de Meia...
Pedro Quartin Graça
Pedro Rolo Duarte
Pedro Santana Lopes
Penamacor
(as) Penas do Flamingo
Penduras
Pensamento Alinhado
Pequenos Contratempos
Perdigão Art
Peter Balikó
Photomics
Pinhel, nós por cá
Planetas Politik
Podium Scriptae
Poeta sem poesia
Poetry Café
Polis-Fixe my street
Politeia
(o) Politiqueiro
Ponto Media
Porta Capitania Ilha Moçambique
Porto das Pipas
Portugal dos Pequeninos
Praça das Controvérsias
Praça da República em Beja
(o) Profano
Prosas Vadias
PS Benfica
<- q ->
Quarta República
Quase em Português
<- r ->
Raíz Política
Relações Internacionais
República das Badanas
(de) Rerum Natura
Respirar o Mesmo Ar
Retorta
Risco Contínuo
Rititi
Rua da Judiaria
Rui Herbon
Rui Tavares
Ruptura Vizela
<- s ->
Sedes
100 Nada
Sempre a Produzir
Sete Vidas como os Gatos
(o) Sítio dos Desenhos
Sobre o Tempo que Passa
(à) Sombra do Convento
Sorumbático
Suspeitix
<- t ->
TAF - Opinião
Tempo das Cerejas
(a) Terceira Noite
(a) Terceira Via
Terra dos Espantos
Thomar Vrbe
Tomar
Tomar, a Cidade
Toxana
Traço Grosso
Tralapraki
31 da Armada
Troca o Passo
Twice, three times a ..
Two Stiks
<- u ->
Ultraperiférico
<- w ->
Walkarounds
the Watchdog
We Have Kaos in the Garden
We'll always have Paris
<- v ->
Vasco Campilho
Velocidade de Cruzeiro
Vento Sueste
Vida das Coisas
Vila do Paúl
Vila Forte
25 Centímetros de Neve
Viridarium
(o) Voo das Palavras
Vozes da Rádio
blogs SAPO